Páginas

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Capítulo XXI

Joyce, desanimada, toma mais um gole do café recém coado. Já eram nove horas da manhã e estava totalmente sem animo.  Essa postura já durava algumas semanas.  Solta um suspiro lento. ‘Mais um dia... ’
- Mãe você ainda está aqui? Não foi trabalhar?
- Mariana? – Jô olha surpresa para a filha – Posso dizer o mesmo. Que faz em casa? Não tinha que ir trabalhar?
Mariana senta frente à mãe e se serve do café.
- Resolvi me dar esta folga. Nunca faltei e hoje não estava a fim. Mas e você? Que faz em casa mãe?
Jô olha a filha desconfiada. Mariana era responsável demais pra simplesmente ‘não estar a fim’ de trabalhar. Sem falar que estava com uma energia diferente, animada, agitada. Não sabia bem dizer o que era.
- Tenho audiência só à tarde. Mas... O que realmente a fez faltar Mariana?  - Ergue a mão e continua antes da filha responder. – E não me venha com este papo de ‘não to a fim’. Conheço-te o suficiente para saber que o motivo para você faltar tem que ser muito maior que isso.
Mari encara a mãe e suspira. Devia contar suas intenções a ela? Sabia que no fundo a mãe não a queria com Lisa. Que no fundo... ela queria Lisa.  Sentia isso.
- Mãe...  eu... quero lhe perguntar uma coisa.
Joyce imediatamente fica tensa.
- Você... disse para Lisa que não desistisse de mim?
- Ah Mariana... – Jô faz uma expressão de culpa mesclada com dor.
- Mãe... você disse! – O rosto da jovem se ilumina – Você não sabe o valor que isso tem para mim.
Ergue-se da cadeira, contorna a mesa e abraça a mãe com força.
- Eu te amo mãe. Mais que você pensa. – Olha-a com carinho – Sei o quanto é difícil você aceitar meu amor por Lisa. Sei como é difícil aceitar que... ela também me ama.
Joyce engole em seco e os olhos lacrimejam.
- Ela... te procurou filha?
- Sim mãe... procurou.
- E...
- E que eu... não soube lidar bem com a situação inicialmente, mas... mãe, eu amo Lisa. Não vou desistir dela. Você... aceita isso?
- Mariana... eu... estou tentando... aceitar isso. - A garganta lhe doía só de pronunciar estas palavras.
- Mãe... eu também estou tentando lidar com o fato que você e Li... vocês... foram namoradas. Não é fácil, mas... – Faz um gesto vago com a mão. – Preciso dela mãe. Ela me... completa, me realiza.
- Mariana... Mas você é tão nova.
- Eu sempre soube mãe. Sempre soube que vim para Lisa.
Joyce meneia a cabeça conformada.
-S e vocês se amam... lute para ser feliz filha. Eu... não serei empecilho para sua felicidade.
- Eu sei... Bom, vou sair.
- Vai... atrás dela?
- Vou mãe. –Mariana a olha firme. – Vou atrás da minha felicidade.
Joyce abaixa a cabeça e discretamente limpa uma lágrima.
- Mãe... Perdão.
Jô levanta a cabeça olhando-a surpresa.
- Por que filha?
- Por não ser o que gostaria que eu fosse. Por decepcioná-la.
- Mariana! Você não me decepciona! Jamais! Tenho é muito orgulho de você.
- Mas... não queria que eu fosse... lésbica.
- E que mãe quer filha? – Balança a cabeça triste e ao mesmo tempo irônica - Eu mais que qualquer uma, sei o que é isso. Olha, vá em frente. – Faz um gesto solto com a mão. - Você tem força suficiente para lidar com tudo isso. E... Lisa... é alguém que sempre estará a seu lado. Tenha certeza disso.
- Mãe... Ela me disse que você... é muito importante para ela.
- E ela para mim filha. Mas, infelizmente... nem sempre a vida é como gostaríamos. Eu... Ah Mari, não me peça que tenha com ela, neste momento, uma convivência tranquila ou mesmo harmoniosa. Talvez um dia eu possa, mas não agora.
Mariana balança a cabeça em afirmativa.
- Eu entendo... Mas mãe.
- Oi?
- Nunca deixarei de estar a seu lado. Você é muito importante para mim. Nunca se esqueça disso.

Por muito tempo Joyce olha a porta pelo qual Mariana sai. Seu coração estava anestesiado. Abaixa a cabeça e a coloca sobre o tampo da mesa.
- Não sei se admiro seu gesto ou acho-o absurdo.
Surpresa Jô ergue a cabeça e vê Carlos adentrar a cozinha. Havia semanas os dois evitavam-se, mesmo morando no mesmo teto.
Carlos abre o armário e pega uma xícara, sentando-se depois à frente da esposa. Serve-se do café e o sorve devagar. Olha Jô que o observa em silêncio.
- Mariana é linda demais para ser sapata, mas... Lisa também é.  Parece que os conceitos hoje estão mudando não é Joyce? As... pessoas estão se assumindo mais, não se escondem dentro de uma vida que, no fundo, nunca desejaram para elas.
Termina a frase baixinho, a voz triste e conformada. Joyce treme por dentro. Era uma indireta para ela. Observa o marido. Que alegrias ela trouxera à vida dele? Estava sofrido.
- Eu... Te fiz tão infeliz assim Carlos?
Carlos arregala ligeiramente os olhos.
- Não... na verdade não. No inicio então era maravilhoso. Depois... nos perdemos pelo caminho e por mais que tentássemos... parecia que não nos achávamos.
Joyce impulsivamente segura a mão de Carlos.
- Carlos. Olha, não posso mudar meu passado, nem as palavras duras que falamos um para o outro. Mas quero que saiba que eu nunca tive uma vida que não desejei para mim. Nunca.
- Joyce... você mesmo disse que gostava de uma mulher. De sua... amiga.  – Evita pronunciar o nome de Lisa.
- Sim... Mas este é meu passado Carlos... Como o pai de minha filha também o é. Mas acho que está na hora de me perdoar por ele. Não vou destruir o resto de minha vida pelos erros de meu passado. De alguma maneira eles me trouxeram benefícios, me enriqueceram me tornaram a pessoa que sou hoje. – Olha o marido séria - Carlos, eu sempre quis uma família. Eu sempre quis um companheiro, filhos. Eu estou na vida que sempre desejei, nunca pense o contrario.
- Joyce... Você sabe o que acaba de fazer? Isso que fala realmente é realidade? Veja bem, sua filha... acaba de sair daqui, disposta a lutar pela mulher que... ambas amam.
Joyce engole em seco. Respira fundo e o olha nos olhos.
- Carlos há anos atrás tomei uma decisão em minha vida. Dizer que, por muitos momentos tempestuosos, fragilizei diante dessa escolha é mentir. Mas depois, passado este momento, só posso reafirmar mais uma vez. Fiz a escolha certa. – Suspira angustiada -  Saber que... Mariana e Lisa estão juntas dói meu coração. Demais. Não porque queria estar no lugar de minha filha, mas sim porque... De alguma forma isso sempre será um agravante em nossa relação entende? E isso me arrasa. Como vou conseguir olhar Lisa e Mariana... minha filha e minha... ex amante juntas? Olha o marido constrangida, mas disposta a toda a sinceridade.
Carlos a olha sério. Há muito tempo não eram tão sinceros um com o outro.
- Joyce... como disse é passado. Eu sempre soube que você teve um envolvimento com Lisa. Mas casei-me assim mesmo. Sabia que... era comigo que queria estar. Muitas vezes o ignorar parece o melhor caminho. Hoje percebo que não é. Veja como estamos! – Ergue a mão desalentado. – Você falou em se perdoar. Acho que está na hora de nos perdoarmos. – Suspira tenso – Olha, vou dar minha opinião sincera. Mariana escolheu o caminho dela. Um caminho que desaprovo, mas não irei interferir. E você... como mãe e... principalmente como amiga de... Lisa deve lutar para... aceitar e conviver harmoniosamente com elas.
Joyce o olha surpresa
- Por que esta me dizendo estas coisas Carlos?
- Porque cansei de lutar Jô. Cansei de ir contra a maré. Cansei de fingir uma indignação por saber que minha esposa teve uma amante mulher. Sempre soube. Sempre soube de vocês duas. E ainda assim a quis para mim. – Respira tensamente - Lisa antes de se envolver com você era sua amiga. Sua melhor amiga. Acho que isso conta bastante não é?
- Conta... Eu...
- Joyce. – Carlos a interrompe - Será que também conta bastante eu ser... seu marido? Eu... querer manter nosso casamento? – Passa a mão no cabelo - Nunca estivemos tão perto de uma separação e isso... abalou-me demais. – Segura a mão da esposa forte. – Eu não quero a separação. Realmente a amo. Sei que temos nossos momentos de conflito, mas... sei que podemos ser felizes juntos.
Joyce treme e sente o coração acelerar.
- Carlos... são tantas magoas...
- Podemos vencer isso. Sei que podemos. Éramos felizes Jô! Olha, eu prometo que vou melhorar e... aceitarei Mariana como é. Estarei a seu lado a cada momento difícil de sua vida. Nós podemos salvar nosso relacionamento Jô, sei disso.
- Carlos não sei o que dizer.
- Jô, pense nisso. Se você realmente quisesse a separação teria insistido que eu saísse de casa não vê?
Joyce encara o marido vendo-lhe o olhar ansioso. Vislumbra naquela expressão o jovem de antes, que terno segurava sua mão e dava-lhe o primeiro beijo.  Sente os olhos lacrimejam.
- Carlos... – Toca-lhe o rosto com a barba por fazer – Sinto muito o mal que lhe fiz.
O marido segura sua mão emocionado.
- Eu que peço desculpas Jô. E uma chance. Vamos tentar?

Mariana bate ansiosa o pé no chão. ‘Que demora meu Deus!’
- Mari? O mundo está acabando?
- Puta merda! Finalmente hem! Se fosse o fim do mundo você seria a ultima a saber.
- Sei. – Nádia se senta a seu lado – Fala rápido o que quer, tenho que voltar para a academia.
- Nádia – Olha a amiga ansiosa. – Não me apressa! – Respira fundo – Resolvi lutar por Lisa.
- Mentira!! Que bom Mari! Nem acredito.
- É bom, mas não sei ainda como fazer isso.
- Explica melhor
- Nádia, preciso de um plano para atrair ela para meus braços.
Nádia olha para o céu enfastiada.
- Gente, para que complicar? É só você chamar que a mulher vem correndo.
- Puta que pariu né Nádia!  Eu... vai ser... Nádia nunca fiquei com Lisa. Eu quero me entregar a ela e que seja especial, inesquecível.
Nádia a olha meio abobada.
- Deixe-me entender. Você quer fazer amor com ela... hoje? Já!!!
- Já a porra! Estou esperando por isso há anos. E TEM que ser hoje. Não vou me segurar, nem vou tentar.
- Mas... mas... sei lá, Lisa parece mais... cuidadosa. Acho que vai ponderar vocês namorarem um pouco antes.
Mari dá uma risada divertida. Depois engole em seco ao relembrar os gemidos amados no telefone.
-Te garanto que ela também não espera. Nádia conheço Lisa. E se tiver enganada, te juro. EU a agarro e faço tudo que sempre sonhei. Chega de esperar. Vou marcar esta relação definitivamente com ferro e fogo. Lisa é minha.
Nádia observa o olhar fogoso da amiga.
- É... você está explodindo. Coitada da Lisa. – Dá um sorriso safado. – Mas que quer exatamente fazer.
- Queria um lugar que pudesse levá-la.  Um lugar que ficássemos sozinhas entende. E onde ninguém interromperia. Que tivéssemos toda privacidade do mundo.
- Mas hoje? Sabe que dia é hoje? É dia de trabalho mulher! Meio de semana!
Mariana olha a amiga irritada.
- Sei exatamente que dia é hoje. Dá para ajudar?
- Que menina irritada! Ok, vou ajudar.
Nádia observa a amiga séria e pensativa.
- Olha, tem como você buscar umas mudas de roupa dela?
- De Lisa?
- Não, minhas. Claro que delas né Mari!
- Tem, por quê?
- Vocês vão para a chácara.
- A chácara de seu pai em Macacos? – Mari arregala os belos olhos verdes.
- Tem lugar mais discreto que aquilo? Ali é um marasmo. Tudo que terão para fazer é sexo mesmo. Ideal.
- Sexo não... Amor.
Nádia a olha divertida.
- Ok, sua romântica. Fazerem amor.  – E faz biquinho
- Não zoa... Eu to nervosa. Mas como farei para chegar lá!
- Quer algo que marque mesmo?
Mariana faz um gesto afirmativo com a cabeça.
- Tem certeza? – Nádia faz um ar demoníaco.
- Nádia... que você esta pensando?

Lisa caminha em direção ao restaurante para almoçar. Sentia uma paz imensa no coração, desde que Luiza a visitara em sonhos. Estava tomada de uma certeza maravilhosa, de que tudo ia dar certo em sua vida. Que finalmente caminhava na direção certa, rumo a seu destino.
- Dona, não grita. Se ficar quietinha nada acontece.
Lisa sente a garganta paralisar. Gritar como? O medo trancara a sua voz. Sente algo duro tocar a altura de sua cintura.
- Se tem amor à vida não faça movimento brusco. Faça tudo que eu mandar e nada te acontece.
- E... ee...ee... Le... va tudo que... quiser... eu... não faz nada...
- Já disse dona, fica calma que a gente não te faz nada. Mas se gritar...
Um carro escuro para a sua frente. Não consegue ver quem está ao volante.
- Entra aí dona.
- Pelo amor de Deus! Leva tudo! Mas não faz maldade! Eu... – Lisa começa a suar abundantemente
- Entra! – Lisa sente o cano apertar sua cintura. Entra desesperada no banco de trás do carro, onde outro rapaz a esperava. Este segura firme seu braço.
O carro se põe em movimento. Lisa olha pelo vidro escuro o movimento da rua, na esperança que alguém tenha visto o sequestro. Respira fundo, buscando se acalmar e depois se vira para o rapaz ao lado.
- Amigo... Se isso é sequestro relâmpago eu...
- Cala a boca! Sem falar nada, ok.
- Eu não vou me entregar facilmente! Se pensam fazer qualquer coisa!
O rapaz a olha calado, mas com um olhar divertido. Nesse momento Lisa percebe que seus sequestradores são muito bem arrumados, fortes, afeiçoados. Não pareciam de forma alguma sequestradores. Mas... Quem vê cara não vê coração.
- Que... Querem de mim?
- Põe essa mascara.
- Como é? – Olha o tapa olhos para dormir que ele coloca em suas mãos.
- Olha vou repetir só mais uma vez. Coloque isso e me dá sua bolsa.
A voz era tão ameaçadora que Lisa entrega imediatamente a bolsa e tapa os olhos. Começa a rezar baixinho, sentindo o desespero tomar conta de seu ser.
Os minutos passam e o carro não para. Lisa imagina que estejam rodando em círculos pela cidade para ela perder a noção de espaço.
‘Meu Deus, e se forem estupradores? Devia ter reagido! Não devia ter entrado no carro!’
- Por... favor... não... me faz maldade. Leve tudo, já esta com tudo que é meu!
Não obtêm resposta. Começa a tremer sem controle. ‘Lisa mantém o controle’
Parecia que tinha passado horas quando sente o carro parar.
- Vamos desça!
Lisa é retirada firme, mas sem violência do carro. O sequestrador a induz por um caminho sinuoso. A cada passo, mais a garganta de Lisa se fechava. Seu autocontrole estava por um fio.
Sente uma porta se abrir e é levada para dentro de um cômodo onde a sentam sobre uma cadeira.
- Eu...
- Cala a boca!
A movimentação diminui. Ouve o bater de uma porta e o silencio de faz presente. ‘Mas que loucura é essa?’ Ouve o barulho de um carro se afastando. Procura aguçar os ouvidos e escuta ao longe o cantar de pássaros. ‘Mas... Que merda tá acontecendo?’ A raiva começa a tomar o lugar do medo. Ainda assim, evita movimentos bruscos ou mesmo tirar o tapa olho. É quando escuta seu celular tocar.
- Como é que é?
Tira o tapa olho num movimento brusco e olha surpreendida o cômodo que se encontrava.
Era uma copa gigantesca, cujas portas de vidro fumê davam para um deque, onde a vista deixava vislumbrar a beleza de montanhas das mais variadas.
- Mas... Que diabos esta acontecendo? – Diz em voz alta
Olha a seu redor. Nada, ninguém. Cautelosamente caminha ate a porta. Devagar sente o coração acalmar. Se fosse um sequestro com certeza o cativeiro era de 1° classe.
Geme e busca na bolsa abandonada sobre a mesa, seu celular. Era o alarme. O bandido o preparara para alarmar. Olha o sinal. Nada. Suspira e esfrega a testa ainda mais tensa.
- Deus... Deus... Que está acontecendo?
- Lisa...
Surpreendida se volta em direção ao som da voz que lhe chama da porta.
- Mari... Mariana?
- Lisa... espero que... meus amigos a tenham tratado bem.
- A... amigos?
- Sim... eu... eles me disseram que trariam você em segurança.
- Segurança?
- Li? Você esta bem? Está... pálida.
- Pálida?
Lisa não consegue mais pensar em nada, pronunciar nada. Cai desfalecida no chão.
- Lisa!!!!!

Lisa sente alguém a lhe bater suavemente no rosto.
- Li.. lisa, pelo amor de Cristo, acorda. Você desmaiou!
- Mari... Mariana!
Sente um ar frio lhe bater no colo e percebe que sua blusa estava desabotoada. Mari lhe acompanha o olhar preocupada.
- Eu abri. Sei lá, achei que podia respirar melhor.
- Melhor? – Lisa sente a raiva dominar seu ser. Ergue-se enfurecida - Você tem noção do que fez?
- Do que... fiz?
- Que diabos pensou conseguir com essa loucura? Você poderia ter me matado do coração! Sabe o desespero, o pavor que passei nas mãos daqueles rapazes? Achei que iam me matar, estuprar, a merda a quatro!!!
- Eu... Li... como assim? Não to entendendo!
- Você não esta entendendo!! E eu!!! Acha que entendo algo! – Ergue as mãos para o alto - Meu Deus dê-me controle!
Vira-se para a morena com os olhos em chamas.
- Mariana! Envelheci dez anos com essa brincadeira de mau gosto! Dez anos!!! – Termina a frase aos gritos.
- Lisa, eu não entendo. Porque o ato dos rapazes a trazerem te deu tanto medo? Nádia disse que eles eram de total confiança. Um deles é primo dela!
Lisa a olha incerta. Como assim Nádia? Quem era Nádia? Quem era a merda da Nádia!!
- Quem é essa merda de Nádia!
- Minha amiga Li... Eu... Ela... – Mari passa as mãos nos longos cabelos angustiada. – Ela me disse que estava tudo certo. Que o primo dela tinha conversado com você e que... Vocês iam vir depois do almoço para cá.
Lisa a olha entre o choque e o alivio.
- Eu... Mariana... Mari. Eu... Deus que alivio! – Senta-se sobre a cadeira sentindo os olhos se encherem de lágrimas.
- Li! - Mariana corre e se ajoelha a seus pés. – Que eles fizeram? Que merda! Que eles fizeram com você?
- Eu... Mari... Eles me sequestraram.
- Como é?
- Eles me sequestraram. – Lisa começa a sentir uma calma imensa tomar o lugar do desespero e angustia anteriormente sentida.
- Se... Sequestraram? Quem? Os rapazes? – O olhar de Mariana era horrorizado.
- Os rapazes.
- Mas... como? Era só para eles te trazerem. Nádia disse que estava tudo resolvido, que... – O olhar de Mariana se modifica. – Nádia... Eu mato ela!
Lisa a olha agora tranquila. Respira fundo,  procurando agora acalmar também os tremores do corpo, ainda tenso pelas ultimas horas.
Mariana se ergue nervosa e busca seu celular na mochila.
- Não adianta Mari, não tem sinal.
- Puta que pariu Li! Não era para ser assim! Nádia... ela me trouxe para cá dizendo que os rapazes iam te trazer mais tarde. Vim mais cedo por que... porque queria me arrumar para você. Eu... – Olha Lisa incerta. – No meio da BR o celular dela tocou e ela me disse que eles tinham te trazido mais cedo e que a gente... ia chegar depois e...  e... eu entrei aqui e você... começou a gritar e... eu... eu...
- Mari!
- Lisa eu não fiz isso! Juro! Eu nunca ia fazer uma brincadeira dessas! Eu... cara, sequestro assim é coisa de novela. Não acontece na vida real.
- Acaba de acontecer.
- Eu... que merda... – Diz baixinho - Estragou tudo!
- Mari... o que estragou? Por que... queria-me aqui?
- Lisa eu... queria que a gente conversasse. Eu... sabe... achei que tínhamos que conversar, mas tinha que ser em um lugar onde tivéssemos... que ninguém interrompesse. – Mariana sente o rosto avermelhar. – Er... bom... aqui é do pai de minha amiga e ele emprestou para mim.  – Mariana a olha sem graça – Mas só aceitei depois que Nádia me disse que você tinha conversado com o primo dela e aceitado vir conversar. O resto... ia ser surpresa.
- Que resto?
Mariana se senta desanimada na cadeira ao lado da mesa.
- Quando você chegasse aqui, quer dizer, você só ia perceber que tava indo para Macacos depois de já estar no carro. Eu ia estar aqui te esperando com... roupas. – Olha Lisa sem graça. – Roupas... por que... vamos passar a noite aqui.
Lisa a olha surpresa.
- Bom... Parece que sua amiga e primos resolveram incrementar o plano.
- Putz Lisa... Desculpa. Eu... queria tanto que hoje fosse um dia especial. – Abaixa a cabeça arrasada.
Devagar Lisa se aproxima.
- Especial por que Mari?
- Eu... eu... – Mariana a olha com o olhar perdido. Lisa sente o coração disparar. Respira fundo e busca controlar as emoções. Muita adrenalina para um dia só.
- Mari vamos passar então a noite aqui... É isso?
- É...
- Suponho, alias espero, que dentro do plano mirabolante de sua amiga, esta tenha a idéia de avisar em meu serviço que... Estou com um imprevisto e não poderei voltar.
- Eu... Acho que ela deve ter feito isso sim. – Mariana tenta disfarçar o ar de incerteza.
- Ok... –Lisa observa a insegurança da jovem e resolve dar um tempo para ambas porem a cabeça no lugar. – Bom... o que trouxe para eu vestir?
- Short... aquele vermelho que fica lindo em você. - O rosto avermelha mais uma vez. – E uma camiseta.
- Calcinha?
O rosto de Mari fica vermelho de vez.
- Só de biquíni.
Li a observa atenta. As mãos começam a formigar na ânsia de puxar a mulher amada para seus braços.
‘Lisa calma, deixe-a dar o passo. O primeiro passo. ’
- Então vou tomar um banho. Estou suando, nervosa e angustiada depois do que passei. Acho que a água... Vai me acalmar.
- Por que não põe o biquíni e vamos nadar? – Mariana a olha já empolgada. – O tempo tá gostoso e a piscina é linda!
Lisa sorri. O alivio de ver que tudo não passara de uma brincadeira de mal gosto a deixara mole. Tudo agora lhe parecia bom demais. Olha a mulher a sua frente. Sua Mari... Fizera tudo isso para estar com ela.
- Por que não! Cadê o biquíni?
- Aqui... – Mariana tira dois biquínis da mochila. Lisa sorri e termina de desabotoar a blusa. Mariana a olha ansiosa e vira-lhe as costas nervosa. – Eu... Vou por o meu... No quarto. – Sai quase fugida da copa.
Lisa sorri divertida. Mari ficara tímida de repente.
O dia hoje era de sol... com certeza.

- Nossa que delicia de água. Sou capaz de ficar aqui a tarde toda!
- Eu não Mari... Estou morrendo de fome,
A bela morena para de flutuar e a olha sem graça.
- Você não almoçou?
- E acha que meus sequestradores deixaram?
- Putz... eu... deve ter o que fazer na geladeira. Os pais de Nádia estão sempre aqui. Vou lá ver.
Lisa observa a morena sair da piscina. Como era linda! Corpo maravilhoso, curvas bem feitas, bunda boa... seios suculentos... ‘LISA! Pare já com estes pensamentos! Ela que tem que vir a você!’
- Mari!
A jovem se vira para ela.
- Você é linda!
Mariana sorri tímida.
- Você também é linda Lisa. Demais!
- Acha?
- Sim...
- Sabe – Lisa caminha na água em direção a morena – Pensando melhor, acho que no momento estou sem fome.
- Mas... disse que estava morrendo de fome.
- Não estou mais... Eu... Estou é morrendo de vontade de usufruir dessa natureza maravilhosa.
Mari sorri contente e senta-se na beira da piscina.
- Aqui é lindo né. Quando estive aqui pela primeira vez babei no lugar.
- Dá vontade de ficar a vontade.
- Ah Li! Eu já estou à vontade – E sorri respirando fundo o ar puro.
Lisa a olha divertida. Devagar começa a desamarrar o sutiã do biquíni.
- Pois vou começar a ficar a vontade agora.
Mari a olha em choque. Lisa tira o sutiã do biquíni e o coloca na borda da piscina.
- Nossa é uma delicia sentir a água nos seios nus.
Mariana não consegue desviar os olhos dos seios de Lisa sob a água. Eram lindos. Não percebe a boca entreabrir ligeiramente e sem pensar passa a língua sobre os lábios. O coração de Lisa dispara ante o claro desejo da mulher amada.
- Mariana... Experimenta. Vai gostar.
Mas a bela morena não parece escutá-la. O olhar permanece fixo em seus seios.
- Li... você é linda! Seus... seios são como... são lindos.
- Mari...
Devagar a morena entra a água e se aproxima da loira. Para na sua frente e estende a mão.
- Eu... eu... – Lisa percebe a mão amada tremer. Com suavidade, como temendo assustar a outra, segura sua mão e a coloca sobre seu seio direito.
- É seu Mariana.
- Li... – Tremendo de emoção Mari segura o pequeno monte e o aperta com carinho.
- Macio... tão macio. – Ergue a outra mão e segura-lhe o seio esquerdo. - Eles são lindos.
Desvia o olhar deslumbrado dos seios de Lisa e a olha nos olhos.
- Li... – A voz insegura parece pedir ajuda.
Lisa não pensa duas vezes. Segura Mari pela cintura e a puxa para si buscando os lábios carnudos num beijo quente e profundo. Um gemido rouco sai de sua garganta.
- Mari... minha Mari... Como te amo Mari, como te amo!
- Li... Li...
Lisa penetra a boca da jovem com volúpia e desejo. Com a língua experimenta cada cantinho, saboreia, encanta. As línguas se encontram, digladiam exigentes, ávidas pelo prazer encontrado. Finalmente se separam pela necessidade de ambas buscarem o ar perdido na paixão do beijo.
- Eu... - Mariana procura evitar olhar os seios nus da loira. - Eu... Não posso deixar você sem o que comer! Vou à cozinha!
Sai da piscina e corre em direção à cozinha. Lisa a olha sem acreditar. Mariana fugira dela?
Respira fundo e passa a mão no pescoço. ‘Lisa... calma. Calma. Respeite o tempo dela. Respeite o tempo dela’
Mariana se segura na bancada da pia. Que beijo! Que vontade de arrancar o biquíni e pedir para ela a fazer sua! Mas... e se ela achar que estou apressada demais? Oferecida demais? ‘Deixa de ser boca Mariana! A mulher gemeu para você ontem no telefone! Cara que faço?’
Vira-se com intenção de ir em direção a geladeira ver o que tinha para cozinhar e dá de cara com Lisa, nua da cintura pra cima, atrás dela.
- Li...
- Vim ajudar na cozinha. O que tem para fazer?
- Eu... ia olhar.
- Ok
Devagar Mariana passa por ela e abre a geladeira, olhando cegamente o que tem dentro dela. A verdade que a ultima coisa que queria era cozinhar.
Sente braços a enlaçarem por trás e endireita o corpo. Lisa aproxima a boca de seu ouvido e sussurra.
- Amor... estou com fome... mas não de comida.
- Li...
Devagar a loira a afasta da geladeira e fecha a porta da mesma. Com Mari ainda de costas para ela começa a desfazer o nó do seu sutiã.
- Li...
- Chii... confie em mim.
Retira-lhe o sutiã e leva as mãos aos seios jovens apertando-os com carinho.
- Eu amo seus seios Mari... São lindos, cabem na minha mão. – Aperta-os com carinho - Macios...
- Li... - Mariana começa a tremer de paixão. Era tão bom sentir aquelas mãos em seus seios. Queria mais. – Li...  – Vira-se de frente para a loira. – Me beija de novo.
As duas se abraçam avidamente, os seios se tocando. As bocas cheias de paixão se encontram.  Lisa sente dificuldades de se controlar. Desce as mãos para os quadris bem feitos e os aperta.
-Você é uma delicia Mari... Amor...
Marina geme e balança sensualmente o quadril. Lisa leva as mãos a sua cintura e novamente as desce em direção ao quadril, desta vez por baixo do biquíni. Aperta-lhe as nádegas, as acariciando lascivamente.
- Minha... Você é minha Mari... Você veio para mim!
Mariana não consegue segurar o gemido quando sente os dedos de Lisa afastarem as nádegas firmes e a puxar com mais força em sua direção.
- Quero você! Deus!!
Lisa a solta repentinamente.
- Li... Lisa?
Lisa a olha cheia de desejo.
- Não Mari! Não esperei tanto tempo para... te ter no chão de uma cozinha!
- Lisa! Puta que pariu! Puta que pariu!
Pega a loira pelo braço sem nenhuma delicadeza e a empurra em direção a porta do quarto.
Abre-a com um safanão e totalmente descontrolada joga Lisa dentro dele.
- Aqui serve?
- Ma... Mari?
Lisa não tem tempo de pronunciar mais nada. A bela morena totalmente descontrolada a beija profundamente, enquanto segura seus seios com força.
- Não tem mais desculpas. – Sussurra entre beijos quentes. – Quero você. Hoje! Agora!
Lisa não responde. Empurra a bela morena na cama e se põe sobre ela. As mãos passeiam pelos corpos quentes. Mari bruscamente vira Lisa e se coloca sobre a mesma.
- Mais Lisa... mais. Trate-me como sua mulher. Sua mulher.
Lisa geme ao sentir a boca da amada sugar seus seios.
Mari estava em êxtase. Não sabia onde segurar, estava desejosa de tocá-la toda. Parecia não ter tempo, tamanha sua ânsia.
- Mari... Amor... Por favor – Não consegue conter o gemido a mais uma sugada cheia de paixão em seus seios. - Bela... eu preciso... ai Deus... Amor que delicia! Eu quero que seja especial... eu... Mari!!!!
Grita surpresa e extasiada ao sentir a mão amada se insinuar entre suas pernas por baixo do biquíni.
Mariana começa a tremer. Lisa estava molhada. Põe a cabeça entre os seios amados e passa a mão sobre o sexo de Lisa, sentindo os pelos macios.
- Li... Lisa eu quero mais... mais... 
Ergue o corpo e se coloca de joelhos, olhando Lisa deslumbrada. Era tão linda. Desliza o olhar fogoso pelos seios, barriga... e biquíni. Franze a testa e sem nenhum cuidado segura o cós da calcinha descendo-a pelas pernas.
- Mari...
A morena não tirava os olhos do sexo de Lisa. É como se nunca tivesse visto uma mulher nua antes. Uma calma momentânea surge dentro dela.
Devagar estende a mão e o toca.
- Lisa... você é tão delicada.
Tenta abrir as pernas de Lisa.
- Mari...
- Não diz nada! Por favor... deixa...
Lisa suspira e abre as pernas. Mariana se coloca entre elas. Desce o olhar repleto de amor e desejo sobre o corpo amado e começa a deslizar os dedos por ele.
- Eu sempre quis fazer isso... tocar você... deslizar minha mão por sua pele... tão macia...
- Amor... – Lisa se ajeita melhor sobre o colchão sem nenhuma vergonha da nudez exposta.
Mari a olha sorrindo tremula. Desliza os dedos por entre os grandes lábios de Lisa e os abre vislumbrando o clitóris já inchado da loira. Toca-o delicadamente, fazendo-a gemer suavemente. Começa a movimentar sobre ele em pequenos círculos. Lisa abre mais as pernas e estende os braços por cima da cabeça evidenciando ainda mais os seios bem feitos.
- Mari...
A jovem morena não aguenta por muito tempo manter o controle. Gemendo alto se coloca novamente sobre a loira e começa a se mexer freneticamente, sem tirar a mão do sexo de Lisa.
- Lisa... Li... Lisa te quero...  eu preciso de você... muito... muito. Eu quero tudo... tanto.
Lisa percebe a jovem morena descontrolada. Queria a primeira vez delas especial, inesquecível. Segura o próprio desejo e com uma postura firme, mas cheia de paixão freia o movimento da amada.
- Calma amor. Temos todo o tempo do mundo.
Começa com carinho a deslizar as mãos pelas costas, cintura e quadris da morena. Abraça-a com força beijando-lhe com carinho o pescoço. Era hora dela comandar o espetáculo.
Devagar puxa a calcinha do biquíni ate seus joelhos e coloca sua perna entre as dela. Coloca-a de costas na cama. Mariana tinha o olhar febril, mas se mantinha submissa.
- Isso... quero você quietinha... deixe-me fazer tudo.
Termina de lhe tirar a calcinha. Desliza as mãos por suas pernas, acariciando lhe toda. Segura-a pelas coxas abrindo-lhe ligeiramente as pernas. Sente uma pequena resistência de Mariana.
- Tudo bem amor... tudo bem. Se mostra para mim.
- Li... eu...
- Dá para mim amor? Dá?
Mariana olha a mulher amada com timidez. Era Lisa. Seu sonho realizado. Não havia lugar ali para inibições.
Relaxa o corpo permitindo que Lisa abra suas pernas e a exponha a seus olhos.
Observa, fascinada, o olhar de Lisa sobre seu sexo, a boca amada entreabrir e gotículas de suor brotar de sua testa. Lisa expressava claramente a paixão por cada poro de seu corpo. Sente dedos a tocarem e geme fechando os olhos.
Lisa toca os grandes lábios deslizando pela vulva macia. ‘Calma Lisa, mantenha o controle... ’ Abre os pequenos lábios, vislumbrando o clitóris muito inchado de Mariana. Lambe-o delicadamente.
- Li!! – O grito de Mari sai baixinho.  Um frêmito passa por podo seu corpo. Uma dor latente se faz ainda mais presente em seu sexo.
Lisa abocanha com os dentes o pequeno clitóris passando a ponta da língua sobre ele ritmadamente. Depois o solta e passa a língua toda por toda a vulva exposta.
Afasta-se um pouco para olhar o objeto de seu desejo. Mari estava aberta, exposta, vulnerável. Totalmente entregue. Lasciva, penetra-lhe  a língua no sexo fazendo-a soltar um grito cheio de prazer. Numa lambida quente, volta novamente sua atenção ao clitóris enquanto seus dedos brincam com os pequenos lábios de Mari.
- Eu... não vou... aguentar muito tempo Li...
Arregala os olhos e geme ainda mais alto ao sentir o dedo de Lisa penetrá-la.
- Ahh Deus...
Mariana era virgem. Lisa a penetra com cuidado, trincando os dentes numa tentativa gigantesca de controlar o próprio desejo. Sua vontade era penetrá-la com força arrancando-lhe gritos de dor e paixão.
- Meu Deus, Mari... preciso controlar-me... você... é... é... sua primeira vez...
- Li... Li... – Mariana mexe o quadril freneticamente. Em desespero, numa exigência muda de ter seu desejo satisfeito.
- Me faz sua Li... Me faz sua!
Lisa geme alto. Mariana era tão quente, tão saborosa, tão... sua. Tudo lhe parecia perfeito, natural.
‘Controle-se Lisa, controle-se’
- Calma Mari... calma amor.
Mariana era tão gostosa por dentro. O movimento de vai e vem do dedo é cauteloso, receoso.
- Lisa!! – A jovem morena eleva o quadril – Amor! Por favor, vai mais rápido. Eu... ai Li...
Lisa olha sua bela deslumbrada. Devagar, o coração acelerado, introduz outro dedo em Mari.
Mariana fica tensa.
- Dói amor?
- Não... eu... Li você é a primeira. Quero... tudo com você...
Como que querendo reafirmar isso pressiona o quadril em direção a mão de Lisa aprofundando a penetração. Uma dorzinha se faz presente dentro dela.
- Mari... você é virgem querida. Temos que ir devagar.
- Porra Lisa!!! –Mari ergue a cabeça desesperada por ter seu desejo satisfeito. – Me fode com vontade. Que se dane que eu seja virgem. Me faz sua!!!
Ansiosa, nervosa, cheia de desejo, pressiona ainda mais o corpo em direção à mão de Lisa, forçando-a a penetrá-la ainda mais.
- Ahh!
É o fim. Lisa já não tinha mais controle sobre si mesma. Começa a forçar a passagem com os dedos no interior de Mari que geme, sentindo dor e prazer. Lisa os  introduz cada vez mais rápido e profundo. Mari começa a gritar, sentindo um frêmito subir de seu sexo ao estômago até explodir num grito na sua garganta. O orgasmo era forte, misturado a dor da perda da virgindade. Lisa se deita sobre Mariana e começa a ondular os quadris num esfregar pele a pele, até que um orgasmo delicioso toma conta de todo seu ser.
As duas ofegantes, exaustas permanecem em silencio.  Mari fecha os olhos e abraça seu amor, que permanecia sobre ela.
- Foi... lindo.
Lisa ergue a cabeça e olha seu amor nos olhos.
- Eu... machuquei você?
- Li... foi lindo!
Devagar Lisa sai de cima da jovem e observa seus dedos. Estavam ainda com vestígios de sangue.
- Ah Mari, amor... eu machuquei você!
Mariana imediatamente se senta.
- Lisa! Olha para mim! Pareço machucada? Estou é... extasiada de felicidade. Cara eu... nossa... foi lindo! Mágico!
- Mari... – Lisa abaixa a cabeça contrita. – Queria não ter perdido o controle. Queria que tudo fosse perfeito.
Mariana segura o rosto de Lisa e o ergue.
- Lisa, eu te amo. Eu te amo demais. Eu queria deixar de ser virgem. Mas com você. Só você poderia fazer isso. Mais ninguém.
Lisa se sente explodir de orgulho pelas palavras de Mariana.
- Hum... quer dizer que viraria freira se não ficássemos juntas?
Mariana gargalha.
- Quer dizer que morria virgem, freira jamais.
Seu olhar muda inesperadamente.
- Li... também quero te dar prazer.
O olhar de Lisa se suaviza.
- Vou adorar Mari.
Devagar se deita.
- Sou sua amor. Faça o que quiser de mim.
Mariana engole sem seco. Lisa era sua. Sua!
Leva a mão aos seus seios e os aperta, para depois chupá-los, saboreando a maciez da pele. Distribui beijos por toda a pele de Lisa. Pescoço, seios, barriga, braços, coxas, virilha. Respira fundo sentindo o cheiro de sua amada. Depois com a ponta da língua experimenta o mel de Lisa.
Ouve um gemido.
- Ai Li... você é tão gostosa... tão gostosa.
Sem hesitar começa a chupar Lisa, lambendo, mordendo, saboreando cada pedacinho de seu sexo doce. Sorve seu mel e geme a cada suspiro, cada gemido amado.
Introduz os dedos na amada e suspira deliciada. Era a primeira vez que sentia uma mulher por dentro. Percebe os músculos se contraírem a cada movimento que faz.
- Li... Li... me ensina a te dar prazer.
- Ma... Mari... você esta indo bem amor. Continua.
O movimento de vai e vem é ritmado, tenso, ansioso. Mariana sente dentro de si o desejo renascer, a vontade de explodir de novo num orgasmo se faz presente. Instintivamente começa a mexer os quadris enquanto penetra Lisa cada vez com mais vontade. E quando Lisa explode num orgasmo maravilhoso a acompanha surpresa.
O prazer mutuo as extenua. Mari se deita nos braços de Lisa e fecha os olhos.
- Perfeito... Perfeito...
Não havia como saber quem pronunciara tais palavras. Nas expressões de ambas, a paixão satisfeita, o amor verdadeiro.
Estavam completas.

Mariana acorda e esfrega os olhos sonolenta.
- Li?
- Oi amor?
Estava escuro.
- É noite?
- Sim vida. São duas da manha.
Mariana se aconchega melhor nos braços de Lisa.
- Foi lindo.
Lisa sorrindo a aperta mais nos braços.
- Ah Mari, nem acredito eu a tenho nos braços. Nem acredito que você é minha!
Mariana ergue ligeiramente a cabeça.
- Eu te amo Li. Demais. Para sempre.
- Sim, para sempre amor.
As duas sorriem. Mariana olha a boca convidativa de Lisa e sente o desejo nascer dentro de si.
- Li...
- Oi amor.
- Quero mais.
- Quer minha bela?
- Quero... – Aproxima a boca da de Lisa e a beija - Vou querer sempre. Me faz sua amor?
O dia amanhece, mas as duas amantes nem percebem. Exaustas, depois de uma noite de prazer e descobertas, dormem o sono tranquilo de quem sabe ser amado.

Joyce sentada sobre a poltrona da sala lê pela enésima vez o bilhete que Mariana lhe deixara.
Suspira. O sonho de Mariana se realizara. Seu pesadelo também. Ela finalmente estava nos braços de Lisa. Passa as mãos nos cabelos longos. Já não tinha mais o que fazer. O destino tratara de tirar de suas mãos qualquer possibilidade de ter Lisa para si. Com os olhos vazios, volta a mente ao passado, recordando todos seus momentos com Lisa e mesmo sem ela.
Não concorda muito com a idéia que todo ser humano tem um destino certo. Na sua visão cada um era responsável pelo seu destino. Ela escolhera seu caminho e agora tinha que se desviar das pedras que criavam empecilhos na sua passagem. Ergue o olhar e admira, sobre a cristaleira, uma foto dela, Carlos e seus filhos. Uma foto em família.
Esta fora sua escolha.
Dizer que esta escolha a completava era mentira. Mas era satisfatório. ‘Será que Lisa me completaria?’
Relembra as palavras de Paula, mãe de Lisa, e balança a cabeça conformada.
‘Não, não me satisfaria. Eu a faria infeliz’
Fixa o olhar sobre a imagem de Carlos. Eles eram iguais. Sempre buscando algo, nunca se satisfazendo com o que tem. Mas realizados na família. Contraditório? Talvez. Mas real.
Suspira e se coloca em pé. Rasga o bilhete em vários pedaços. Mariana escolhera seu destino. Lisa também. Restava a ela buscar o seu. E ela sabia exatamente o que fazer.

Leia o texto abaixo e depois leia de baixo para cima

"Não te amo mais.
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada.
Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
EU TE AMO!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais…
Clarice Lispector

8 comentários:

  1. Cara, esse capítulo mexeu FORTEMENTE com a minha pessoa...
    Me identifiquei com uma delas, mas não vou contar quem, claro. (Segredinho, rs.)

    Muito bom mesmo, Dinda II.. AMEI !

    #EsperandoAnsiosaPeloPróximoCapítulo.

    Beijãoooo...

    ResponderExcluir
  2. Adorei o novo cap, alias eu amei o novo cap.
    A Mari é uma menina/menina decida e que na hora certa foi atrás da mulher q ama.
    Lise posso nem falar nada, sou simplesmente apaixonada por ela.
    Carlos ate tenta ser feliz ao lado da esposa.
    A Jô que todo mundo e ninguém ao mesmo tempo.
    Amo muito o romance e sou muito suspeita em falar.
    Beijos Mistery.

    ResponderExcluir
  3. Mistery vc continua ou pretende continuar com a história no Fator X? Pergunto porque é um site antigo e geralmente as historia são bem organizadas e não se perdem como em outros sites. Estou gostando muitíssimo!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo cap.
    Adorei..
    Parabéns Mistery
    Continua...

    ResponderExcluir
  5. Porra.. Perfect!!!
    Faço as palavras da Leka as minhas:
    Me identifiquei com uma delas, mas não vou contar quem, claro. (Segredinho, rs.)

    A Nádia precisava matar a Lisa do s2?! Que doiiidaa meu.. huahuahauhauahu

    Mistery, Parabéns!! Post Fodástico

    ResponderExcluir
  6. Só eu que leio Lisa? porque vejo gente chamando a guria de Lise o.O'

    Vou sentir falta quando essa história acabar D:
    E minha namorada tb, hasuhasuh
    fiz ela ler tb *-*

    ResponderExcluir
  7. meu s2 fica na bocaaa a cada capítulo.
    foi demais!
    Parabéns
    beeijos

    ResponderExcluir
  8. Pohhhhhaaa!
    Tô de boca aberta com o capítulo...
    Vou voando ler o último!

    ResponderExcluir